Este é um projeto de iniciativa da Prefeitura de São Paulo, do Metro  Arquitetos, Alexandra Forbes e Janaina Rueda (Casa do Porco). 

Dependentes de aglomerações, as atividades ligadas ao lazer são as mais afetadas  pela pandemia provocada pelo novo coronavírus. Por isso, pensar sobre a situação  dos bares e restaurantes do centro de São Paulo nesse cenário foi necessário. 

Os estabelecimentos do Centro representam, nos últimos anos, uma  melhoria na condição de vida urbana da região, principalmente a noite. Para evitar  que fechem portas, fomos convidados pela Alexandra Forbes, a pensar em como  viabilizar o retorno das atividades dos bares e restaurantes de forma segura.  

ocupa rua 2
DSC 7309
DSC 7294
DSC 7286@

Levando em consideração a medida de segurança de diminuir a  capacidade de atendimento em 50%, em um primeiro estudo pensamos em  ocupar parte da rua para fazer uma extensão das mesas dos restaurantes,  prevendo manter o número de mesas próximo ao 100% da capacidade.  

DSC 8125ok
DSC 7561
ocupa rua 1
DSC 8096

Chegamos na proposta final depois de uma reunião com o prefeito Bruno  Covas e com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano da cidade de São Paulo.  Sugerimos algumas situações de ocupações de calçadas e leitos carroçáveis  (ocupação de vagas, provocando um estreitamento da rua) por estabelecimentos  comerciais, sobretudo restaurantes e bares, liberando parte das calçadas e ruas para  uso das pessoas, com um distanciamento social adequado às normas da OMS, em  período de pandemia e pós pandemia. A princípio, as ruas de intervenção são a  General Jardim, a Major Sertório, a José Paulo Mantovan Freire e a Bento Freitas,  beneficiando 30 estabelecimentos no total. Além de aumentar a capacidade de  atendimento dos estabelecimentos, o espaço urbano se torna mais vivo, dinâmico  e seguro, encorajando e incentivando clientes a voltarem a frequentar tais locais de  forma segura.